segunda-feira, 20 de maio de 2013

Nostalgia futebolística #Parte1

Me lembro de tudo o que aconteceu naquele domingo de 17 de julho de 1994. O dia amanheceu frio e ensolarado. Até hoje consigo sentir o cheiro da camisa azul número 11 que ganhei do meu pai após o jogo contra os Estados Unidos. Me lembro da casa cheia de gente e do churrasco na mesa, mas ninguém queria saber de carne naquela tarde. Nada, exceto a saliva, passava pelas nossas gargantas.

Jogo feio, truncado, com o Brasil tomando iniciativa dos ataques. Bebeto e Romário jogavam por música, mas Baresi e Maldini não davam espaço! Baggio mal tocava na bola. Meu Deus, como perdemos gols! Romário, Bebeto, Romário de novo... Mauro Silva chutou do meio da rua; Pagliuca bateu roupa; A bola tocou na trave e voltou nas mãos do arqueiro sortudo. Depois do susto, beijo no poste como forma de agradecimento. Final do tempo normal. Prorrogação com Brasil no ataque e um milagre de Taffarel. Viola entrou e botou fogo no jogo. Mas o gol insistia em não sair.

Decisão por pênaltis: Marcio Santos erra o primeiro e o país todo quase infarta. Menos mal que o grande Baresi também errou. Romário, Branco e Dunga (com direito a soco no ar) marcaram. Taffarel defende o chute de Massaro e, depois, Baggio manda a bola na Lua. É tetra!

Lembro-me que os carros entupiram as (DUAS) principais ruas de Paraibuna! Foi a única vez que vi tanto trânsito naquele lugar. As pessoas riam, gritavam, choravam, afinal, 24 anos de dor e angústia tiveram fim naquela fria tarde de domingo.